quarta-feira, julho 27, 2016

A minha avó.
A minha avó tem 85 anos!
Está acamada há 7/8 anos porque caiu e fracturou a cabeça do fémur, ainda foi operada mas nunca mais andou.
A minha avó ficou viúva do único homem que amou aos 48 anos. Lembro-me na altura de achar que quando morria o avo a avó também morria, porque segundo os médicos os cérebro dela envelheceu muito, e ficou como se tivesse 80 anos.
Esteve muito tempo de cama e aquilo tudo era muito estranho para mim. Depois lentamente foi voltando à vida.
Era a nossa companhia nas férias, chatinha que só ela, na casa da praia ficava connosco, fazia as refeições - ninguém faz um arroz de feijão como ela, ou sopa de feijão verde, ou pataniscas, ou bacalhau à brás ou puré de batata - ela fazia tudo por nós. Levantava-se cedo ía ao mercado, comprava tudo fresquinho, e era assim todo o verão. O resto do ano era o braço direito da minha mãe.
Na praia enquanto andávamos na água ficava à beira mar a vigiar-nos, e gritava se nos afastávamos.
Fez-se amiga dos nadadores salvadores, e dos nossos amigos que a tratavam por "tia Maria", jogávamos ás cartas com ela, comíamos gelados, mas não podiam ser de água porque faziam mal!
Á noite se não chegássemos à hora marcada ia à nossa procura, e uma vez chegou ao portão do parque de campismo e começou a chamar por mim à meia noite porque eu estava com umas amigas a tocar guitarra e a cantar - mas era hora de ir para casa!
Era uma figura caricata - não era de muitos abraços e beijos, era de carisma, de mostrar o afecto noutras coisas, na sua preocupação com as refeições, com as nossas roupas, com a nossa segurança e com a nossas companhias.
Adoptou o meu marido como verdadeiro neto, e ela adoptou-a como verdadeira avó, enquanto pôde, fez-lhe, na casa da praia, as comidinhas preferidas, o que ele mais gostava para agradar, e isso sabia-me bem.
A sua gargalhada era magnifica - ainda é, mas agora mais suave com a idade que vai pesando.
Ontem foi o dia dela - da minha avó. E eu liguei aos meus pais para os meus filhos darem beijinho aos avós - mas não lhe liguei a ela porque já era tarde...liguei hoje de manhã.
Para ela está sempre tudo bem, sempre de sorriso, e com as ultimas noticias na ponta da língua, seja de politica ou de futebol - hoje perguntou:
- Quando vens cá?
- E eu disse - agora só nas ferias avó, se Deus quiser!
- Pois, se Deus quiser - disse ela.
E nós queremos muito que Deus também queira.
Como ela me costumava dizer para acabar uma conversa que descambava -" rêcetê"!

terça-feira, julho 26, 2016

Ontem o meu pai fez 69 anos.
A minha mãe pediu que lhe fizéssemos uma surpresa e embora fosse segunda feira, tirámos o dia de férias e aparecemos para almoçar.
Estava tudo combinado, eu de  manhã liguei a dar os parabéns, mandei beijinho, disse que os meninos falavam com ele à noite, disse para ele ir almoçar com a minha mãe ao restaurante que todos gostamos, e ele a dizer que não, que não  estávamos todos...
A minha mãe lá o convenceu a ir ao restaurante. Nós estávamos cá fora, escondidos, vi-o sair do carro, os miúdos estavam no parque a brincar, e eu a ver o meu pai e a minha mãe no passeio, escondi-me, e fui andando por entre os carros estacionados, até que comecei a correr em direcção a ele,  até ele me ver e começar a rir...foi tão bom!
Foi delicioso ver a cara dele de surpresa.
Parabéns papá!

quarta-feira, julho 13, 2016

Quando eles estão de férias e nós ainda não:
deitam-se tarde...querem brincar, ver tv, fazer jogos, ouvir musica, ver vídeos ...se num momento estão a brigar, e eu a ouvir o típico  - Oh mãeeeeeeeee- noutro já estão todos enfiados num dos quartos a inovar (fazer asneira) ontem eram só bocadinhos de papel espalhados no chão do quarto das meninas, pedi para apanharem tudo e até que correu bem, não fossem os chinelos a triplicar (por cada um) debaixo das camas, os brinquedos quase sempre desarrumados, mudam de roupa à velocidade da luz, depende da brincadeira que estão a fazer e depois vai logo para lavar...pintam-se e pintam desenhos também. Fazem lego - é muito bom vê-los a fazer Lego até ao momento que um descarrila e começam a discutir, dançam e fazem coreografias...
Eles divertidos e nós com a cabeça feita em água!

terça-feira, julho 05, 2016

Os dois do meio brigaram.
Brigam muito, regra geral, mas adoram-se. Mas ontem ele disse-lhe que preferia que ela não existisse, ela ficou muito ofendida - ligou-me chorosa. Tentei que desvalorizasse mas quando os fui deitar fiz questão  de voltar ao assunto.
Conversei com ela, perguntei: Sabes que ela gosta tanto de ti, que nem ele próprio sabe gerir, por isso, como és a pessoa de quem ele se sente mais próximo, é contigo que tem mais à vontade para aparvalhar, percebes? - e ele a ouvir tudo - claro que não está certo tudo o que ele disse, mas acho que ainda assim deviam fazer as pazes e se ele já te pediu desculpa...
(pausa) ela ao meu colo a olhar para o chão...
Ele vem direito a ela para a abraçar e ela recusa ( doeu-me o coração) ele ficou triste.
- Sabes que ele está mesmo a tentar pedir desculpa não sabes? Percebes que está arrependido?
- Oh mãe mas ele disse que preferia que eu não existisse...
- Mas estou arrependido...
A coisa fluiu bem ela lá aceitou o abraço dele.
Cada um foi para o seu quarto. Levantei-me a meio da noite e lá estavam os dois na mesma cama - irmãos!